Pular para o conteúdo principal

Cálculo simples


Hoje, vindo para o trabalho, estava refletindo sobre o meu fim de semana.
Fiz exatamente tudo o que queria, na hora que queria e com quem queria.
Sorri, estive acompanhada, e também estive sozinha, e curti isso.
Ah, eu curti a mim mesma. Eu ando me curtindo muito, sabe.
Tenho tido tempo pra isso. E quando começamos a nos curtir, inevitavelmente, a gente acaba se apaixonando.
Isso mesmo, a gente passa a se reparar, e se apaixona pelo que vemos.
Hoje, exatamente hoje, está fazendo três meses do fim de uma história, de uma fase da minha vida.
E o tempo é curto pra dizer que houve total esquecimento. Ainda lembro, ainda choro, ainda sinto falta.
Ainda luto contra o impulso de telefonar, de dizer oi, de ir atrás.
Mas mesmo sentindo ainda a falta, percebo o quanto posso mais.
Como explicar?
Muitas vezes estamos em relações que nos fazem bem, mas também nos fazem mal.
Muitas vezes essa proporção é desproporcional. Fazendo mais mal do que bem.
Muitas vezes nos pegamos presos a esse bem, apesar do mal.
Vamos em cálculo, ele te faz 25% bem, e 65% mal, os 10% que sobra é neutro.
E a gente se apega aos 25%, por hábito, por medo de mudar, por apego mesmo.
Mas aí as circunstâncias fazem as coisas mudarem. E elas mudam.
E mesmo com a dor da saudade, você vai percebendo que não precisa de ninguém pra estar bem.
40% muito bem. 40% com saudade. 20% sei lá.
E só são três meses.
Na atual conta eu acredito que já é de se ponderar se vale a pena. Imagine quando essa conta chegar a 100.
Você, sozinha, se faz 100% bem. Sem necessidade do outro, do tempo do outro, da vontade e etc.
Vou virar antissocial? Morrer sozinha?
Dificilmente.
Mas talvez consiga pesar mais antes de inserir alguém em minha vida.
Fazer mais contas, enquanto conseguimos ser racionais. Porque depois é mais difícil, assumo.
Os planos são esses, ser cem porcento feliz, eu comigo mesma, no meu tempo, do meu jeito.
E pra competir com isso eu digo, não vai ser fácil meu caro!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casual

Eles conversaram durante uma semana, e resolveram se encontrar. Pré-acordo de casualidade estabelecido com sutileza, sendo assim, vamos ao sexo. Ela pensava “É de uma transa casual que eu preciso. É certamente isso.” Já ele não pensava muito no assunto.
A saída: –  Posso te buscar às 22h então? – Ela leu, e sentiu seu coração acelerar. – Okay – Digitou e enviou em seguida, querendo parecer o mais despretensiosa o possível. Enquanto escolhia uma roupa, ela pensava “Por que estou tão ansiosa? Estou enjoada? Sério? Acho que quero vomitar. Não é nada demais, só uma saída, garota.” Tomou um banho, vestiu uma calça jeans, pra que não parecesse aqueles encontros específicos pra sexo, ainda que fosse um encontro específico pra sexo. Passou o seu melhor perfume. Fez aquela maquiagem, que faz parecer que não se está usando maquiagem alguma. E estava pronta. Cerca de dez minutos depois do horário combinado, uma mensagem chega: – Me enrolei um pouco, mas já estou chegando. Ela ficou sentada no …

Sonhei com você

Acabei de olhar minha bunda no espelho, e os roxos estão lá. Inevitavelmente viajei pra noite passada. Fiquei com tesão só de lembrar. - o dia que precede a noite - Eu acordei no mó tesão. Tinha sonhado com você, então já acordei molhada, querendo seu beijo, sua mão me segurando, sua pele na minha. Querendo seu pau sabe, na minha boca, na minha cara, na minha boceta e no meu cu. Uma loucura, eu assumo. Muito tesão pra uma terça de manhã. Mandei um oi no Whats, e uma foto pelada. Ops.
Você me respondeu:
- Alguém acordou inspirada.
- Sonhei com você.
- Hummm. Conta.
- Conto não, vamos fazer?
- Vamos. Hoje?
- Isso.
- Eu te pego na sua casa 22h, pode ser?
- Pode. Me arrumei pra ir pro trabalho, e fui. Passei o dia com tesão. E o dia falando sacanagem com você. Ia no banheiro, tirava uma fotinha dos meus peitos e te mandava.
- Eles estão morrendo de saudade!
Assim seguiu o dia. Finalmente fim de expediente. Vou pra casa, tomo um banho. Visto uma calcinha e sutiã de couro. Vestidinho preto marcando o…

Uma frase

Amor no coração
Paixão na pele
Vinho na mente
A gente no chão
Eu em você
Você em mim
Tontura, quentura
Sua mão, minha cintura
Desejo, ansejo
Sua mão, meu cabelo
Tensão, tesão
Sua mão, meus lábios
Calor, fervor
Sua mão, por meu corpo todo
Percorre-me
Sem correr
Arrepio, na espinha
Cabeça gira
De vinho
De vontade
Eu imploro, por favor
Por favor
Me tenha, agora
Você começa lentamente
Abro a boca, não sai som
Te aperto com minhas pernas
Fica, pra sempre, fica
Tentativa esvoaçante
De te fundir ao meu corpo
De nos transformar num só corpo
Eu falo, falo e falo
Mais rápido, mais forte
Não para, me bate vai
Vai, vai, vai
Você em silêncio
Só ouço o ruído da sua paixão
Vai seguindo cada ordem minha
Até eu não mais conseguir falar
Nem gritar
Nem respirar
No meu êxtase, no seu êxtase
A gente se afoga em nós
Em paixão
Você finalmente fala sua única frase
Minha gostosa!


Suelen Vieira Imagem: Mattew Draw