Pular para o conteúdo principal

Sen(s)ações



Senti que peguei o último trem,
senti que desci na última estação,
senti que caminhei em fila indiana
rumo ao fim de mim mesma.
O último dos fins.
Senti que senti minha morte,
senti que todo mundo ali sentia,
a minha e a deles,
eu estava sozinha no meio da multidão.
Senti que todos estávamos.
Milhares de pessoas reunidas,
e sozinhas em si,
sozinhas e trancafiadas em suas mentes,
que só mentem, e mentem, e mentem.
Senti esgotamento físico.
E a morte já nem era tão temida.
Senti que cada passo era rumo ao abismo,
senti o coração desacelerar cada vez mais,
a mente calar a porra da boca,
parar de me enganar.
O relógio era enorme, e marcava hora nenhuma.
Último trem,
última estação,
última mulher,
último cigarro,
último adeus
De uma série maldita de adeuses.
Senti que deveria orar,
e fazer algo poético,
não quis.
Quis mandar todo mundo se foder,
chamar todos de egoístas.
Dizer que somos todos crianças
preocupadas única e exclusivamente
com a porra da meleca do nosso próprio
[umbigo.
Uma série de seres infelizes,
robóticos,
que não se olham nos olhos,
não se abraçam,
não se escutam.
Um bando de gente escrota,
preocupada só com suas dores,
reclamando de quem se preocupa
apenas com suas dores.
Escritores estúpidos,
achando que falam palavras novas,
quando apenas repetem,
e repetem.
Não, eu não disse amém.
Não disse amem.
Não acredito mais na capacidade
dessa multidão de amar.
A não ser que seja conveniente.
Se ele não é a favor do que você pensa,
vaiado.
Agora, se ele tem o discurso ensaiado
que você apoia,
ovacionado.
Pedir a Deus que nos salve?
Não faço uma oração por vocês,
nem oração a Deus.
Eu simplesmente saio,
saio da hipocrisia e mediocridade
às quais faço parte.
Pode pegar fogo,
que eu não ligo,
e agora, eu agora estou sorrindo.
Adeus!
- Suelen Vieira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casual

Eles conversaram durante uma semana, e resolveram se encontrar. Pré-acordo de casualidade estabelecido com sutileza, sendo assim, vamos ao sexo. Ela pensava “É de uma transa casual que eu preciso. É certamente isso.” Já ele não pensava muito no assunto.
A saída: –  Posso te buscar às 22h então? – Ela leu, e sentiu seu coração acelerar. – Okay – Digitou e enviou em seguida, querendo parecer o mais despretensiosa o possível. Enquanto escolhia uma roupa, ela pensava “Por que estou tão ansiosa? Estou enjoada? Sério? Acho que quero vomitar. Não é nada demais, só uma saída, garota.” Tomou um banho, vestiu uma calça jeans, pra que não parecesse aqueles encontros específicos pra sexo, ainda que fosse um encontro específico pra sexo. Passou o seu melhor perfume. Fez aquela maquiagem, que faz parecer que não se está usando maquiagem alguma. E estava pronta. Cerca de dez minutos depois do horário combinado, uma mensagem chega: – Me enrolei um pouco, mas já estou chegando. Ela ficou sentada no …

Sonhei com você

Acabei de olhar minha bunda no espelho, e os roxos estão lá. Inevitavelmente viajei pra noite passada. Fiquei com tesão só de lembrar. - o dia que precede a noite - Eu acordei no mó tesão. Tinha sonhado com você, então já acordei molhada, querendo seu beijo, sua mão me segurando, sua pele na minha. Querendo seu pau sabe, na minha boca, na minha cara, na minha boceta e no meu cu. Uma loucura, eu assumo. Muito tesão pra uma terça de manhã. Mandei um oi no Whats, e uma foto pelada. Ops.
Você me respondeu:
- Alguém acordou inspirada.
- Sonhei com você.
- Hummm. Conta.
- Conto não, vamos fazer?
- Vamos. Hoje?
- Isso.
- Eu te pego na sua casa 22h, pode ser?
- Pode. Me arrumei pra ir pro trabalho, e fui. Passei o dia com tesão. E o dia falando sacanagem com você. Ia no banheiro, tirava uma fotinha dos meus peitos e te mandava.
- Eles estão morrendo de saudade!
Assim seguiu o dia. Finalmente fim de expediente. Vou pra casa, tomo um banho. Visto uma calcinha e sutiã de couro. Vestidinho preto marcando o…

Uma frase

Amor no coração
Paixão na pele
Vinho na mente
A gente no chão
Eu em você
Você em mim
Tontura, quentura
Sua mão, minha cintura
Desejo, ansejo
Sua mão, meu cabelo
Tensão, tesão
Sua mão, meus lábios
Calor, fervor
Sua mão, por meu corpo todo
Percorre-me
Sem correr
Arrepio, na espinha
Cabeça gira
De vinho
De vontade
Eu imploro, por favor
Por favor
Me tenha, agora
Você começa lentamente
Abro a boca, não sai som
Te aperto com minhas pernas
Fica, pra sempre, fica
Tentativa esvoaçante
De te fundir ao meu corpo
De nos transformar num só corpo
Eu falo, falo e falo
Mais rápido, mais forte
Não para, me bate vai
Vai, vai, vai
Você em silêncio
Só ouço o ruído da sua paixão
Vai seguindo cada ordem minha
Até eu não mais conseguir falar
Nem gritar
Nem respirar
No meu êxtase, no seu êxtase
A gente se afoga em nós
Em paixão
Você finalmente fala sua única frase
Minha gostosa!


Suelen Vieira Imagem: Mattew Draw