Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2016

Coexistindo

Penso, logo existo
E se penso demais?
Existo em demasia?
Penso tanto
Que hesito tanto
Hesito tanto quanto existo
E a cada hesitar
Deixo de ser
Quando deixo de ser
Não sou
Quando não sou
Não existo
Quando não existo
Não penso
Se não penso
Faço
Quando faço
Erro
Acerto
Arrependo-me
Vivo, enfim
E quando vivo
Existo
Existência na medida
Sobriedade
Sanidade
Linha tênue
Do pensar

(Suelen Vieira)

No trem

Ela à direita
Ele à esquerda
Ela olhando pro nada
A sua direita
Ele olhando pro nada
A sua esquerda
Até que no nada
Seus olhares se cruzaram
Diante do reflexo
Na janela do trem
Já não viam mais o nada
Agora se viam
E o nada nunca mais seria igual
Novamente
Pois que agora
No nada eles se tinham
E no se ter
Eles tinham tudo

(Suelen Vieira)

Cuide-se

A raiz dos meus problemas está em mim mesma...
Não nisso
Não naquilo
Nem ali
Nem acolá
Em mim
E só a mim
Cabe cuidar..

Suelen Vieira

Passamos

Acabou!

Se dormir, ali, deitada ao seu lado, foi fácil?
Não.
Lembro perfeitamente o pesadelo da noite, meu corpo inteiro em chamas.
Calor, pele derretendo, ossos virando pó, eu desaparecendo. Sumindo. Em dor. Pavor.

Amanheceu.
Ressentimento de café da manhã.
Medo de almoço.
Ida pra casa, silêncio absoluto.
Despedida.

Foi difícil me reerguer.
Afinal de contas virei pó naquela noite.
Mas cá estou, inteira.
Sofrendo de outras dores.
Sorrindo por outros motivos.
A mágoa quase não vira mais o estômago.
A lembrança praticamente não gela a alma.
Passou!
Passamos!

Suelen Vieira

Saudade

Sentindo a presença desse universo inteiro, que sua ausência deixou...

Sem eira nem beira

Sou linha
Sou lenha
Sou fogo
E fogueira

Sou gota
Sou mar
Sou ar
E poeira

Sou grão
Semente
A colheita
Inteira

Sou calma
Bagunça
Um colapso
À beira

Sou fim
E começo
Um penhasco
Ladeira

Sou minha
Sou tua
Se chega
E me cheira

Sou noite
Ou dia
Quem sabe
A maneira

Sou sã
Mantendo
Ou perdendo
A estribeira

Sou ordem
Sou erro
Castigo
Cegueira

Sou dor
Alívio
Sou erva
Cidreira

Sou um conto
Qualquer
Sem eira
E nem beira

(Suelen Vieira)

Caos

Ah eu adoro sexo Muito mesmo Nem sempre precisa ser carinhoso não Aliás  Pode ser quase sempre um caos Sexo caos Emoção caos
Mas eu odeio ir embora E por isso não me dou com sexo casual Não que eu não tenha tentado Tentei Provavelmente tentarei novamente E quebrarei a cara de novo Pois não gosto de tchau
Não gosto do velho ritual Levanta, se veste Mãos dadas pra sair do motel Beijinho na porta de casa Beijo, boa noite Mensagem: Cheguei Outro dia: Ontem foi animal
Eu gosto do abraço que vem depois Da dormida juntos Eu gosto de ser chamada dentre vários adjetivos De meu bem Gosto do beijo de boa noite E do beijo de bom dia
Beijo com gosto de café com leite Mesmo não gostando de café com leite Não me dou com casual Por não gostar do tchau Por não saber lidar com a vontade de bis Por querer minutos de olhos fechados E ele de travesseiro 
Eu considero esse carinho depois do sexo Parte do sexo Acho que por esse motivo me sinto tão incompleta Porque "ontem foi animal" não supre meu cochilo no seu peito Nem de perto!

(Su…

Ilumina-te a ti mesmo

Joga luz em tuas vergonhas
E lida com elas
Ilumina tuas fraquezas
E aprende com elas
Deixe as lágrimas que precisam cair
Rolarem
Tudo em você
Te faz você
E nada menos
A pior mentira que contas
É aquela de frente o espelho
Joga luz nos teus breus
Agora mesmo!

(Suelen Vieira)

Talvez

E se eu prometer que fico?
Que não te deixo sozinha
Que te esquento nas noites frias
Que te abraço quando chorares
Que sorrio contigo, quando sorrires

E se eu prometer te ligar?
No outro dia
E pra saber como foi seu dia
Pra te ouvir reclamar da correria
Ou se gabar de como conseguiu resolver aquele pepino

E se eu prometer cócegas?
Risadas
Cafés da manhã
Lanches da tarde
Noites viradas
Manhãs sonolentas

E se eu te prometer longos banhos?
Banheiros suados
Cheiro de shampoo
E se eu prometer massagem?
Nas costas e nos pés

E se eu te prometer dois filmes seguidos
E nenhum assistido
Séries fechadas
E discussão sobre livros

E se eu te disser que eu não vou embora?
Que estou louco pra descobrir cada linha sua
Louco pra descobrir cada detalhe seu quando sorri pra mim
Das aspas que ficam em volta do sorriso
Ao brilho que fica no olhar

Se eu falar tudo isso,
Você acredita?
Você fica tranquila?
Você fica segura?
Você fica?

(Suelen Vieira)
Imagem: Apollonia Saintclair

Ecos no silêncio

Vazio faz eco
Eco faz companhia
Eco, ecoa nós mesmos
Eco, é cópia de mim
Vazio que acompanha
É vazio ainda assim
Sozinho
Uma música
Acompanha a lágrima
Que escorre sem pedir
Eu, o eco de mim e a lágrima
E um solo de guitarra do Nirvana
Kurt também era sozinho
Kurdt não
Kurt se foi
Kurdt não
Meu vazio não é escuro
E ecoa pedaços de mim

(Suelen Vieira)

Juras

Juro ficar,
Se jurares também..
Juro ceder,
Se cederes também..
Juro me permitir ser protegida,
Meu anjo bom..
Se jurares proteger

De jura em jura,
Vou fazendo morada em você
Em baixo de suas asas
No seu pensamento
No seu coração

De promessa em promessa,
Tu vais fazendo morada em mim,
No calor do abraço
Na bagunça dos cabelos
No suor de nós dois

Fica anjo bom,
Que eu fico também!
Juro juradinho..
Com promessa de dedinho!

(Suelen Vieira)