Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2016
Tem dor que só precisa de um ouvido,
só precisa ser ouvida,
você vai aconselhar,
vai falar coisas que até tem sentido,
mas aquele que está em dor,
muitas vezes não irá te ouvir,
ele quer apenas sentir-se acolhido,
só quer sentir-se abraçado,
amado,
querido.
Ele não está no momento de querer analisar o que está se passando com ele,
não está no momento de entender a dor,
ele não quer entendê-la,
mas ele sabe que ela dói,
melhor do que ninguém, ele sabe!
Então abrace,
abrace bem forte,
passe seu amor,
sua fé,
passe toda energia boa,
num abraço bem apertado!
Suelen Vieira
Logo eu,
Que sempre fui de planejar cada passo
Tenho tido preguiça de planejar até o almoço

Logo eu,
Que sempre fui de sofrer antecipadamente
Tenho repetido com certa frequência,
as seguintes frases:
Amanhã penso nisso,
Amanhã me estresso com isso,
Amanhã sofro, se tiver que sofrer disso

Se isso é viver melhor
Ou protelar as decisões
Eu não sei ao certo
E também não vou pensar nisso agora..

Vou vivendo cada coisa no seu tempo,
pelo menos a maioria das coisas,
na maioria das vezes!

Suelen Vieira

Elis Regina - Ponta de areia/Fé cega, faca amolada/Maria, Maria - (Montr...

Menina Arco-íris

Pintou-se de preto e branco
Escondeu-se no cinza
Correu para as cores frias
Conteve seus passos
Cerceou seus movimentos
Questionou seus pensamentos
Sua sanidade
Suas vontades
Seus quereres
E até sua personalidade

Usou de todos os artifícios
Para esconder suas cores
Cores vivas
Cores quentes
Cores de um veraneio

Junto de suas cores
Escondeu emoções
Aceitou o inaceitável
Permitiu que por ela
Escolhessem
Do prato
Ao retrato
Do parto 
Ao fardo
Que carregou em silêncio

De tanto diminuir-se
Encolheu em si mesmo
Em sonhos
Propósitos
E divagações 
De tudo que poderia
De janeiro a janeiro
Permaneceu ali
Pequena, reclusa

Até que 
Num solstício de verão
Explodiu em cores
Pecou pela falta
Explodiu pelo excesso
De si, em si, por si, pra si!

Suelen Vieira

Escrita

Vou continuar escrevendo
Assim eternizo tudo
Escrevo sobre a dor
Mais tarde a releio
Aprendo
Apreendo Escrevo sobre o amor
Que penso que sinto
Mais tarde o descubro
E o vejo como é
E não era Escrevo sobre os fins
Sobre os começos
Sobres os meios
Sobre os durantes
Sobre as traições
Sobre os problemas
Sobre tudo
Sobre nada Escrevo você
Escrevo nós
Começo nós na escrita
Termino nós na escrita Relato os prazeres
O gosto da boca
Relato as dores
O gosto da lágrima
Relato nosso sexo
Relato nossa dança E torno tudo eterno
Eterno num poema
Num conto
Num verso Você pode me magoar
Me quebrar
Me machucar
Mas o sorriso que me deu
Tá guardado
Desenhado
Escrito por aí
Eterno por aí E por isso continuo escrevendo
E por isso insisto nisso
O escrito vira
O eterno brilho
Da mente sem lembranças
Sem memórias
Suelen Vieira

Tiras

Tira
Tira a calça
Tira o vestido
Tira a roupa
Tira a vergonha
Deita
Beija
Agarra
Arranha
Aperta
Puxa
Morde
Ama
Bota
Bota fogo nessa cama
Bota tudo
Bota fogo nesse quarto
Bota tudo
Se esvai em mim
Que eu me derreto em você
Vai por mim
Nessa noite cabem três
Bota
Bota calça
Bota vestido
Bota roupa
Bota vergonha
Deita
Beija
Abraça
Afaga
Carícia
Conversa
Mordisca
Ama

Suelen Vieira

O ser

A paz que me faz
A calma na alma
A luz que me traduz
A sina que me assassina
A guerra que me enterra
Guerra que me encerra
A ressalva que me salva
A jura que me cura
A tormenta que me alimenta
A vingança que me cansa
A prece que emudece
O silêncio no ócio
O grito no peito aflito
A luta que transmuta
O olhar que tira o ar
O desejo que arranca o pejo
Tua vinda que me finda
A volúpia que arrepia
O horror do que posso supor
O amor pelo o que posso  compor
A fé que me é
O que sou
E me faz
E me traz
E fará
E trará
Tratará 
Apagará

Suelen Vieira

Sobre tudo e sobre nada

É o fel
É o mel
É o céu
É o véu

É o feto
O afeto
É o mito
O aflito

É o fim
É o sim
É o não
E o pois não

É o pão
Que me negas
É a vida
Que me tiras

É vida?
E quem é que dita?
Concepção?
Ou não?

É o passado
Que condena
É o futuro
Obscuro

É o muro
Que constróis
É a destruição
Do orgulho

É a arma
Que mata
É a música
Que salva

É a droga
Que explora
A cultura
Que sutura

É o machismo
O sexismo
O passado
No presente
Pai ausente
Filho carente

É o tudo
É o nada
Todos os assuntos
De nenhuma alçada

Suelen Vieira

Bem no mal

Estou bem
Mas às vezes fecho os olhos
E sinto que algo em mim, chora
O fato de estar bem
Reforça a desconfiança que estou mal
Como estar bem
Num mundo tão mal
Tanta maldade e miséria
Tanta tristeza e ingratidão
Será que é possível estar realmente bem
Ou é só ilusão?
Uma faixa que nos cega
Falta de compaixão
Será que a bondade é tão forte
Que consegue nos deixar realmente bem
Nesse mundo que jaz no mal
Será que é falta de empatia?
Ou é, de fato, paz de espírito?
Quão resistente é isso?
Será que é possível ajudar em algo com isso?
Se não mudamos nada ao nosso redor
Nossa tranquilidade vale algo?
Ou se torna apenas frieza?
Ou nos tornamos, apenas imunes?

Suelen Vieira

Cores

Se eu abro os olhos
É tudo preto e branco
É tudo acizentado
Só violência
E dor
Só preconceito
Ego
E Egoísmo
Mas se eu os fecho
Ah eu vejo tudo em cores
Vejo montanhas
Que pintam um céu azul
Vejo um lindo horizonte
De esperança
E união
De fé
E caridade
Aqui,
Embaixo das minha pálpebras
Tudo é em cores
Cores fortes
E vivas
Cintilantes
E minhas

Suelen Vieira

Vem cá

Vem cá, E traz um pouco de calmaria Pra essa bagunça  Pra esse caos Vem com tua calma E desacelera os meus ponteiros Que insistem em correr
Sem porque Sem pra que  Sem direção
Sem razão Só correm Ansiosos por um amanhã  Que nem sabemos se virá Vem cá  Com tua calma quase fria Que aquece tudo em mim Tudo em nós Nessa cama Nesse quarto  Tudo inflama  Tudo em chamas  Vem cá,  Um pedido que sai num só gemido  Quase inaudível  Que só se faz presente Quando colo minha boca No teu ouvido E sussurro baixinho  "Vem cá"
Suelen Vieira

Segredar

Vou inspecionar você
Até descobrir
Cada segredo
Que sua alma guarda
Até descobrir
Cada mistério
Que te faz
Você

Suelen Vieira

Espetáculo

Se fazes da vida
Rascunho mal feito
A quem culparás
Senão a si mesmo?

Se não te colocas
Como protagonista
Da sua própria história
A quem culparás
Senão tuas escolhas?

Se não és autora
Do teus enredos
E roteiros
A quem culparás
Senão os teus medos?

Cria, recria
Artista, protagonista
Escreva a ti mesmo
Mas nunca assista

Seja aplaudida
Não seja aplauso
Não da tua vida
Quem decide a hora de fechar as cortinas
És tu!

(Suelen Vieira)

Ser

Eu não sou várias coisas que eu gostaria de ser
Mas sou várias coisas, que um dia quis
Sou o potencial do que me tornarei
E o espectro do que me tornou
Sou um passado
Um presente
E um futuro
Entrelaçados por possibilidades
Pecados
E pretensões
Sou um todo
Preenchido de sombra e luz
De ontem e hoje
De amanhã e depois
Sou o agora
E não posso ser mais que isso
Não hoje!

(Suelen Vieira)