Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2017

Um conto

Um conto
Um ponto
Contraponto
Nesse ponto

Um conto
De afronto
Defronto
Com esse ponto

Um conto
Que aponto
Num confronto
Desaponto

Um faz de conta
Deixa tonta
Amedronta
Cobra a conta


Suelen Vieira

Cala-me

Eu que esbanjo palavras Calei-me por você Você me fez calar Fez-me refletir sobre mim Sobre o que há em mim Sobre o que me faz assim Você me faz calar Faz-me as palavras engolir E por não ter onde colocá-las Elas ficam aqui Entaladas e sufocadas Em aondes E por quês Numa reflexão Que já não sei onde me leva Ou quando me traz de volta Se me traz de volta Se nos traz de volta Num silêncio Onde vou encontrando respostas Pra perguntas que não fiz Num silêncio Onde vou respondendo A perguntas que não fiz Você e só você Pra fazer calar esse barulho Que há em mim Esse ruidinho sem fim Que habita por aqui


Suelen Vieira

Era uma vez...

Ei, dá licença aqui
Que eu vou criar 
Uma história perfeita
Onde duas pessoas
Se conheceram 
E se apreciaram
Se gostaram
Se tocaram
Se sentiram
Desculpem o pronome oblíquo
Desculpem mesmo
Mas é que eles se demais
Eles se transaram
Transaram-se
Trocaram-se
Amaram-se
Eles se dominaram
E se deixaram dominar
Eles dormiram
Acordaram
E a vontade de estar junto
Não passou
Não passava
E ficaram
Não jogaram
Se jogaram
Mergulharam
De cabeça
Corpo
E alma
Inspeciona-me
Inspeciono-te
Descobre-me
Descubro-te
Entre pedidos
E gemidos
E gozos
E arrepios
Se apaixonaram
Apaixonaram-se
Adoraram-se
Amaram-se
E amaram se amar
Eles se queriam
A todo momento
Em todo lugar
Se permitiram
Sem muito pensar
E foram felizes
Até quando...
Até quando?
Quando findou,
Acabou?
O amor, ele acabou?
Tudo que viveram,
Tudo que construíram,
Tudo que cresceram,
Acrescentaram..
Acabou?
Todos os abraços?
Todas as lágrimas
Enxutas em meio a beijos
Em meio a sorrisos
Acabou?
Não, não
Nessa história
Essa história
Sobrevive ao tempo
Em algum lugar
Em algum plano
Tudo continua intocável
Igual aos poem…

Palavras Minhas

Palavras minhas
Avesso de mim
Palavras aleatórias
Uma flor
Um jasmim 

Sentimentos ao vento
Sementes ao vento
Brisa que sopra
Que me vira do avesso
Avesso, aversão

Frases sem sentido
Textos soltos
Sentimento louco
Sanidade pouca
Voz rouca

Tempo
Tento
Sento
Relento
Lembro

Escrevo
Guardo
Gravo
Isso
Que sai de mim

São palavras minhas
Silêncios que gritam
Gritos que calam
Mudez que geme
Gemido que berra

Palavras que sugerem
Que saem aos berros
Da carne sangrenta
Palavra violenta
Que me violenta

Estripa
Esquarteja
Enterra
Pra então,
Renascer!

Suelen Vieira

Sangue Azul

Pintou a língua de azul
Disparou a arma que matou
Pai de família?
Filho de alguém?
Não importou

Pintou a língua de azul
Disparou a arma que matou
Disparou contra si mesmo
Morreu algo ali
Apagou-se

Pintou a língua de azul
Frio ficou
Frio sentiu
Não mais pensou
Não mais refletiu

Pintou a língua de azul
Morte ao redor
Cheiro de fim
Podia ser pior
Então vai ser assim

Pintou a língua de azul
Feriu sem sentir
Desferiu sem pensar
Tiro que tirou
Machucou, feriu

Pintou a língua de azul
Chorou quando a cor sumiu
Chorou quando o azul
Inundou-o num mar
Vermelho rubi

Pintou a língua de azul
Mais nada sentiu
Viu
Ou ouviu

Pintou a língua de azul
E tornou-se inteiro, cinza
Inteiro, acinzentado!

Suelen Vieira

Almas Coloridas

Me apaixono todos os dias
Por pessoas de alma bonita
Alma florida
Colorida

Me apaixono todos os dias
Pelos 'ois'
E 'bons dias'
Por amores e amigos

Me apaixono todos os dias
Por brilhos nos olhos
Por abraços apertados
Por gentilezas
E carinhos
E sorrisos sinceros
E palavras sinceras

É só lembrar de reparar,
Pra então se apaixonar!

Suelen Vieira

MEUS PONTEIROS

Adiantaram os meus ponteiros
Fazendo tudo correr
Os passos correm
As ações
As decisões
Não é corrida
Mas correm

Adiantaram os meus ponteiros
Fazendo eu me ver,
Velha demais
Pra certas coisas,
Atitudes
Conflitos.
Nova demais,
Pra certas escolhas,
Passos
Inícios.

Adiantaram os meus ponteiros,
E me vi sempre correndo,
Sempre um passo à frente,
Sempre expectativa,
Espera.
Enfrentando guerras
Que não conto a ninguém,
Monstros,
Que não descrevo nem a mim.

Adiantaram os meus ponteiros,
E então eu gritei pra eles,
Andem devagar,
Porque até aqui,
Vocês só tiveram pressas!

Suelen Vieira

Desconformidades

Duas pessoas
Dois mundos
Duas personalidades
Diferenças
Desconformidades

União
Ao mesmo tempo desunião
Juntos
Ao mesmo tempo separados

Eu com minhas manias
Gostos
Que aos seus, são opostos
Você com seus trejeitos
Gestos
Tão seus, tão honestos

Entrega
Sem se entregar
Contato
Sem se misturar
Afeto
Sem se afeiçoar
Proximidade
Sem se conhecer
Sem se aprofundar

Eu cá
Você lá
Assim somos nós
Tão sós
Tão juntos
Tão laço, lá
Tão nó, cá

Suelen Vieira

FOME

Devora-me Suga-me  a alma
as forças
o ser
Aqui
Nessa noite
Nesse quarto
Aqui e
Agora..
Nessa cama
Nosso palco
Devora-me
Engole-me
Pede pra eu implorar
Pede pra eu pedir
Pede pra eu gritar
Hoje,
quem manda é você!
Vou obedecer,
vai ser tipo,
seu mestre mandou..
Então manda,
manda eu deitar,
eu calar,
eu subir e descer..
Quero respirar você,
fundir-me a você,
transformar-nos em um,
e depois em três,
em quatro!
Tô com vontade,
tô com saudade,
então vem cá,
e me faz esquecer,
do porque isso é errado,
me faz esquecer,
a sensatez que me fez fugir..
Só hoje,
só mais uma vez,
vem me devorar
por inteira, vem!

Suelen Vieira

O fim

Infinito e belo,
convite ao desconhecido,
infinito e belo,
convite ao perigo,
infinito e belo,
convite ás incertezas,
infinito e belo,
convite ao impossível,
ao possível
fim.
O mortal mergulhou no imortal,
talvez na sede de tornar-se infinito,
talvez na sede de dar fim à tudo,
num mergulho só,
sugado pela infinita
beleza de seu próprio fim.

Suelen Vieira

Amores

Eu disse mil te amos,
ele disse um,
ou dois,
que de tão intensos,
valeram por mil te amos meus,
que de tão intensos,
me fizeram duvidar dos meus.
Arregalou os olhos vermelhos,
apertou-me os braços,
sussurrou:
Eu amo muito você!
Assim,
sem flores,
nu, cru.
Eu amo muito você!
Quase doloroso,
quase doeu em mim.
Nessas horas,
apesar dos meus mil te amos,
sentia mais amor em ti,
por mim,
do que em mim,
por ti.
Nessas horas,
eu queria fugir,
não sabia ser mais amada,
do que amar.
Não sabia ser amada em demasia,
só amar em demasia.
Só doar.

Suelen Vieira

Livre

Respirou a tal liberdade
Fechou os olhos
Flutuou
Tornou-se gigante
Expandiu em tudo
Liberdade de ir e vir
De entrar e sair
De ficar ou de ir
Gigante na liberdade
De ser sozinha
De ser companhia
De amar
Respirou a liberdade
De ser
E foi..

Suelen Vieira

Fotografias

Sinto saudades 
Sinto tua falta
Das tuas mãos 
Do teu toque
Aquele
Que só você tinha
Conhecia cada linha minha
E percorria, sem vergonha
Sem correria

Sinto saudades
Do seu abraço
Fazendo-se presente
Saudades
Do aconchego
Do encaixe

Sinto saudades
Do teu beijo
Cada um deles
O beijo no sorriso
O beijo abraçado
Atracado
Roubado
Com lágrima
Com café
Com amor
De bom dia
Ou de boa noite

Ah, como sinto sua falta
Tua cor
Teu enlaço
Teu cheiro
Tuas músicas
Teu ritmo
Tua força

Sinto falta das nossas trilhas
Trilhas sonoras
Que me trazem à memória
Fotografias de nós dois
Em preto e branco
Em luz e sombra
Dos teus lábios em meu pescoço
Das tuas mãos em minha cintura
Do meu repouso em ti
Seu repouso em mim

Hoje o vento me trouxe você,
o mar, a música,
nos trouxe de volta,
breve lembrança,
breve memória...

Suelen Vieira
Sou todas as cores
Nuances
E tons

Sou todos os ruídos
Notas
E sons

Um abraço
Um cheiro
Um vinho do bom

Uma música
Uma dança
Memória
E lembrança

Sou todas as saudades
Todos os lutos
Todas as lutas

Sou todos os erros
Todos os pecados
E cada arrependimento

Sou toda inconsequência
Sou toda repetição
Toda incoerência

Sou compreensão
E ignorância
Ciúmes
E paixão

Zelo
E proteção
Apego
Prisão

Um universo
Onde todos os dias, surgem cometas
Onde todos os dias, morrem cometas

Suelen Vieira