Pular para o conteúdo principal

Sonhei com você



Acabei de olhar minha bunda no espelho, e os roxos estão lá. Inevitavelmente viajei pra noite passada. Fiquei com tesão só de lembrar.
- o dia que precede a noite -
Eu acordei no mó tesão. Tinha sonhado com você, então já acordei molhada, querendo seu beijo, sua mão me segurando, sua pele na minha. Querendo seu pau sabe, na minha boca, na minha cara, na minha boceta e no meu cu. Uma loucura, eu assumo. Muito tesão pra uma terça de manhã.
Mandei um oi no Whats, e uma foto pelada. Ops.
Você me respondeu:
- Alguém acordou inspirada.
- Sonhei com você.
- Hummm. Conta.
- Conto não, vamos fazer?
- Vamos. Hoje?
- Isso.
- Eu te pego na sua casa 22h, pode ser?
- Pode.
Me arrumei pra ir pro trabalho, e fui. Passei o dia com tesão. E o dia falando sacanagem com você. Ia no banheiro, tirava uma fotinha dos meus peitos e te mandava.
- Eles estão morrendo de saudade!
Assim seguiu o dia.
Finalmente fim de expediente. Vou pra casa, tomo um banho. Visto uma calcinha e sutiã de couro. Vestidinho preto marcando o corpo. A noite promete.
- a noite -
No carro o tesão já nos sufocava. Sua mão na minha coxa, ali parada, já me deixava louca.
- A gente vai comer algo?
- Sim, você.
Vamos direto pro motel, sem cerimônias.
- Quer dizer que acordou pensando em mim hoje?
Você pergunta enquanto passa a mão pelo vestido.
- Sim, acordei morrendo de tesão.
- Humm. Eu trouxe umas coisinhas pra você.
Você vem com uma mochilinha.
- Eu também trouxe.
Você coloca uma música e eu começo a dançar pra você. Eu sou daquelas que fica meio tonta de tesão. Aliás, não sei se mais alguém fica. Mas era esse o momento, eu tava tonta de tanto tesão. Fui tirando o vestido com cuidado. Me empinando toda. A calcinha e sutiã de couro faziam eu me sentir uma verdadeira carrasca. Vou andando em sua direção, você beija minha barriga. Passa a mão pela calcinha.
- Gostei.
Passa a mão nos seios, na cintura. Vem com a língua desde a área acima da calcinha, até o umbigo. Fecho os olhos, e apenas sinto.
A mochilinha entra em cena. Você tira de lá venda, chicote, corda e uma vela vermelha. Meu coração acelera. Você levanta, vem pra trás de mim e me venda.
- Fica aí, paradinha.
Continua os beijos, os toques. Tudo muito suave. Tira meu sutiã. Sinto sua boca em meus seios. Desce minha calcinha, devagar, enquanto beija minha coxa. Me inclina sobre a cama. Começa a me chupar. Você segura minha bunda com força, e vai me fodendo com a língua. Agora chupa meu cuzinho, que latejava por isso. Enfia dois dedos na minha boceta, três dedos. Uma força, uma velocidade. Eu gozo. Seus dedos estão na minha boca, meu gosto.
O chicote estrala na minha bunda. Sem aviso, sem sinal. E outra vez. E mais uma.
- Eu quero que você conte.
- Uma.
- Duas.
- Três.
- Quatro.
- Cinco.
De novo sua boca na minha boceta. Você chupa, suga, como se fosse levá-la. Meu corpo já treme. Mistura de tesão, com o tempo em pé de salto.
Você puxa minhas mãos pra trás e as amarra. A corda é forte e chega a machucar um pouco, o que aumenta mais ainda meu tesão. Estou de quatro na cama. Eu fico ali, de quatro, mãos para trás, rosto colado no colchão, vendada, empinada, te esperando. Sinto seu pau roçando em mim, você fica nessa brincadeira, sem meter, molhando meu cu com o molhado da minha boceta.
- Me fode, vai!
- Eu vou foder, calma.
Ela implora por você. Molhada, quente, latejando. Implorando seu pau.
Finalmente. Você mete, e eu sinto ele lá no fundo. Você aumenta a velocidade. Os tapas na minha bunda também. Quando não puxa meu cabelo, bate na minha bunda. Eu me sinto uma cadela. Sua cadela. Você para. Sem sair de dentro de mim, fica ali, parado. A vela. Tinha me esquecido da vela. Você pinga ela em minhas costas, enquanto mete bem devagar. Tira tudo, depois coloca tudo. Eu ardo. De novo. Tira tudo. Coloca tudo. Vela pingada nas costas. E de novo. Tira. Coloca. Vela nas costas. Eu gozo.
Seu dedo encontra meu cu agora. O ritmo vai aumentando. Dois dedos. Mais rápido. Um tapa. Mais rápido. Dois tapas.
- Minha putinha gostosa. Eu quero seu cuzinho.
- Fode ele vai.
Três dedos. Mais rápido. Outro tapa. Você sai de mim. Continuo imóvel. Rosto colado na cama. Quente. Bunda ardendo, costas também. A cabecinha entra. Dói, mas aguento. Mais um pouco. Quando não, você já está todo dentro, apertando minha bunda, me mordendo as costas. Mais forte. Mais forte. Um tesão inexplicável. Eu gozo outra vez. E você também, sem tirar de dentro. Eu sinto o quente. Que agora escorre.
- o hoje -
Estou quase me tocando no banheiro do trabalho depois de ver os roxos na minha bunda, vontade de repetir a dose.


Suelen Vieira

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Casual

Eles conversaram durante uma semana, e resolveram se encontrar. Pré-acordo de casualidade estabelecido com sutileza, sendo assim, vamos ao sexo. Ela pensava “É de uma transa casual que eu preciso. É certamente isso.” Já ele não pensava muito no assunto.
A saída: –  Posso te buscar às 22h então? – Ela leu, e sentiu seu coração acelerar. – Okay – Digitou e enviou em seguida, querendo parecer o mais despretensiosa o possível. Enquanto escolhia uma roupa, ela pensava “Por que estou tão ansiosa? Estou enjoada? Sério? Acho que quero vomitar. Não é nada demais, só uma saída, garota.” Tomou um banho, vestiu uma calça jeans, pra que não parecesse aqueles encontros específicos pra sexo, ainda que fosse um encontro específico pra sexo. Passou o seu melhor perfume. Fez aquela maquiagem, que faz parecer que não se está usando maquiagem alguma. E estava pronta. Cerca de dez minutos depois do horário combinado, uma mensagem chega: – Me enrolei um pouco, mas já estou chegando. Ela ficou sentada no …

Caos

Ah eu adoro sexo Muito mesmo Nem sempre precisa ser carinhoso não Aliás  Pode ser quase sempre um caos Sexo caos Emoção caos
Mas eu odeio ir embora E por isso não me dou com sexo casual Não que eu não tenha tentado Tentei Provavelmente tentarei novamente E quebrarei a cara de novo Pois não gosto de tchau
Não gosto do velho ritual Levanta, se veste Mãos dadas pra sair do motel Beijinho na porta de casa Beijo, boa noite Mensagem: Cheguei Outro dia: Ontem foi animal
Eu gosto do abraço que vem depois Da dormida juntos Eu gosto de ser chamada dentre vários adjetivos De meu bem Gosto do beijo de boa noite E do beijo de bom dia
Beijo com gosto de café com leite Mesmo não gostando de café com leite Não me dou com casual Por não gostar do tchau Por não saber lidar com a vontade de bis Por querer minutos de olhos fechados E ele de travesseiro 
Eu considero esse carinho depois do sexo Parte do sexo Acho que por esse motivo me sinto tão incompleta Porque "ontem foi animal" não supre meu cochilo no seu peito Nem de perto!

(Su…